Igreja Católica Apostólica Romana

Reunidos em Assembleia bispos tratam da formação dos padres

Em resposta à imprensa, bispos comentam em coletiva que a Assembleia não trata de questões específicas das Dioceses.

O segundo dia da Assembleia dos Bispos do Brasil, em Aparecida – SP, nesta quinta-feira, 12, começou com a celebração da missa presidida pelo Núncio Apostólico no Brasil, dom Giovanni D´Aniello.

                                       Dom Jaime Spengler. (Imagem: Site CNBB).

A maior parte do tempo das quatro longas sessões de trabalho no dia de hoje será preenchida pela reflexão dos bispos – em grupo e em plenário – sobre o tema central da assembleia da CNBB deste ano: diretrizes para formação dos padres. Os bispos retomam o texto encaminhado pela comissão constituída para o fim específico de preparar o material de trabalho.

A Comissão de estudos é coordenada pelo arcebispo de Porto Alegre (RS) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da CNBB, dom Jaime Spengler.  Ele falou, na Entrevista Coletiva desta quarta-feira, 11, a respeito da razão que levou os bispos a escolherem essa temática: “a Congregação do Clero publicou um documento, a Ratio Fundamentalis, para a formação do Clero em termos universais. E temos o Magistério recente da Igreja. A partir desses elementos, foi pedido que atualizássemos as nossas Diretrizes”.

O Texto:

Organizado em três partes, o texto que os bispos usam para reflexão e aprofundamento do tema trata de coordenadas gerais para a formação dos padres e, em sintonia com as Diretrizes já existentes, traz dois capítulos de grande importância explorando as necessidades, objetivos e orientações para o tempo que os candidatos ao sacerdócio passam nos seminários, o que é chamado de “formação inicial” e o tema da “formação permanente” no qual se considera a contínua necessidade de maior compreensão dos padres diante da vida humana, da história e da cultura.

Formação permanente

Documento do Vaticano: Ratio Fundamentalis.

No Documento da Santa Sé, citado por dom Jaime Spengler, a Ratio Fundamentalis,há uma recomendação importante: “É importante que os fiéis possam encontrar sacerdotes adequadamente maduros e formados: de fato, a este dever ‘corresponde um preciso direito dos fiéis sobre os quais recaem, positivamente, os efeitos da boa formação e da santidade dos sacerdotes’. A formação permanente deve ser concreta, isto é, encarnada na realidade presbiteral, de maneira que todos os presbíteros possam, efetivamente, assumi-la, atendendo a que o primeiro e principal responsável pela formação permanente é o próprio sacerdote” (n.344).

Dom Jaime, em entrevista concedida ao Portal Canção Nova, afirmou que os novos presbíteros a serem buscados pela Igreja no Brasil precisa ter as seguintes características: “Homens verdadeiramente apaixonados pelo Evangelho do crucificado/ressuscitado, homens entusiasmados pela proposta do Reino e por isso capazes de se lançar generosamente no trabalho apostólico”.

 

Coletiva de Imprensa

Todos os dias, às 15h, pelo portal: http://www.a12.com/  todo o Brasil pode acompanhar a Coletiva de Imprensa dadas pelos bispos à imprensa, falando dos trabalhos do dia na Assembleia. 

Nesta quarta-feira, a entrevista coletiva foi conduzida por dom dom Darci José Nicioli, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB e também contou com a participação do arcebispo de Mariana, dom Geraldo Lyrio Rocha e o arcebispo de Porto Alegre, dom Jaime Spengler.

Dom João Bosco Barbosa de Sousa. (Imagem: Site CNBB).

Na Coletiva, dom João Bosco Barbosa de Sousa, bispo de Osasco (SP), e ex-bispo de União da Vitória, falou à imprensa sobre as várias temáticas que serão abordadas no evento. Além do tema central: “Diretrizes para a Formação dos Presbíteros da Igreja no Brasil”, mais de trinta assuntos serão trabalhados no intuito de buscar a plena participação de todo o episcopado brasileiro nos dias de atividades.

Questionados pelo caso do Bispo Dom José Ronaldo, da Diocese de Formosa (GO), Dom João lembrou que as decisões tomadas na Assembleia não se referem a uma determinada circunscrição ou Diocese. São assuntos que dizem respeito a todo o episcopado e assuntos relevantes para a Igreja e a sociedade brasileira. “A Assembleia Geral da CNBB é um evento eclesial que pretende buscar a unidade da Igreja. Nenhum assunto é decidido sem que se gaste bastante tempo ouvindo as opiniões dos irmãos bispos, contestando, se for o caso, estudando em grupos e retornando para a grande plenária. Os textos que são aprovados são revirados de todos os jeitos para que se chegue a uma unanimidade que é importante para que a Igreja caminhe”, declarou ele. 

A Assembleia dos Bispos em Aparecida segue até a próxima sexta-feira, 20. Representando a Diocese de União da Vitória, está o padre Mário Fernando Glaab, atual Administrador Diocesano. 

Informações: Site da CNBB
Postagem: Pascom Diocesana
Diocese de União da Vitóiria

b-frase-13
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*