Igreja Católica Apostólica Romana

Ano do Laicato: testemunhos de leigos da Diocese

2018: Ano Nacional do Laicato

No ano em que a Igreja do Brasil propõe o Ano do Laicato, fiéis leigos e leigas de paróquias da Diocese de União da Vitória dão seu testemunho de vida cristã na comunidade de fé e na sua vida em sociedade.

Gerson Geomar Galle e Gislaine Ap. Soares Galle
(Membros do ECC, Curso de Batismo, e Jovens)
Paróquia São Carlos Borromeu – Paula Freitas
Setor Sagrada Família – União da Vitória

“É nosso dever de cristãos ajudar a manter a Igreja em todas suas necessidades, financeira ou de trabalhos desenvolvidos. Em nossa comunidade temos muitos leigos que se doam, e é maravilhoso ver que tem pessoas que se importam com o próximo, que participam em prol do bem comum, envolvendo suas famílias na Igreja”.

“Sem o trabalho dos leigos nos Conselhos e Pastorais, a Igreja se tornaria teórica, sem vida. Os leigos são tijolos fundamentais, mostrando que os ensinamentos da bíblia podem ser vividos diariamente na prática”.

“Quando você se prontifica a ajudar a comunidade, a partilhar suas experiências, cria laços de amizades, vivencia experiências maravilhosas de partilha e doação. A igreja não é somente um espaço de rezar missas, ela precisa de leigos atuantes na missão de evangelizar, de levar a Palavra de Deus a todos, vivenciando na prática os ensinamentos deixados por Cristo.”


Janete Paula Toporowicz Frankowski
(Catequista, MECE, e Presidente do Apostolado)
Paróquia Nossa Senhora das Dores, bairro Limeira – União da Vitória
Setor Catedral – União da Vitória

“Além dos consagrados, o leigo ou leiga também tem a missão de evangelizar. Por meios dos serviços que ele atua na Igreja ele consegue levar uma palavra de conforto, de esperança a um doente por exemplo quando o visita, leva com sua presença o amor de Jesus às pessoas”.

“Para melhor atuar e evangelizar no mundo, o leigo precisa alimentar em si a sua espiritualidade e a do serviço ao qual exerce na Igreja, para que fortalecido, melhor entenda a missão daquele Movimento ou Pastoral ao qual está inserido”.


Angela Marques Iagnesz (Catequista e Pastoral do Dízimo)
Comunidade São Brás
Par. Santo Antônio do Iratim
Setor Bituruna

“Nós leigos e leigas temos um papel muito importante na comunidade. Devemos promover uma Igreja mais unida, para que juntos demos continuidade à vocação a qual fomos chamados, contribuindo com a Evangelização”.

“Procuro no meu dia a dia conhecer melhor os ensinamentos de Deus e fortalecer minha fé. Como cristãos leigos no mundo, devemos ajudar as pessoas sem distinção e demonstrar que Deus está acima de tudo e que sem ele não somos nada”.


Almir Prohmnn Wilki, (MECE) Sandra Marszaukowski Wilke
(Dízimo e Movimento Serra) e o filho Gustavo (Coroinha)
Par. Nossa Senhora do Perpétuo Socorro – São Mateus do Sul
Setor São Mateus

“O leigo deve ser também testemunha de Jesus Cristo. Com seu trabalho ele vai a lugares onde muitas vezes os padres não conseguem ir. O testemunho do leigo ou leiga como anunciador do Evangelho de Jesus, vai além do ambiente da igreja, mas nos ambientes onde convive.

“Como família cristã, procuramos viver nossa fidelidade à Deus também nas dificuldades. Sabemos que Deus está sempre em nossa caminhada e nossa vida sem ele seria vazia. Esse testemunho buscamos levar na sociedade que está carente de Deus. Mostramos que vale a pena ser um cristão comprometido com o Reino de Deus”.


Rodrigo Weretski
(Pastoral da Juventude)
Par. Sagrado Coração de Jesus – Rio Azul
Setor Rio Azul

“Vejo meu papel como leigo Igreja como uma contribuição na evangelização, auxiliando os sacerdotes e religiosos nesta missão. É missão nossa também como cristãos se envolver na evangelização, doando nosso tempo, nosso serviço em prol do próximo”.

“À pedido do papa Francisco, como leigos, vivendo no mundo, somos presença de uma Igreja em Saída, mostrando o rosto de Cristo ao mundo, se envolvendo em projetos, como projetos sociais. Juntos com os religiosos colaboramos para que a Igreja edifique o mundo”.


Daniel Gomes dos Santos (Equipe de Liturgia)
Par. São José Castíssimo Esposo da Virgem Maria
Antônio Olinto – PR
Setor: São Mateus

“O leigo é Igreja; sem o leigo não há Igreja. Ele tem a missão de colocar em prática em sua comunidade aquilo que o Evangelho ensina: a prática do amor, da caridade, nas atividades que a comunidade exige e realiza”.

“A vivência desses valores na comunidade devem se estender para o mundo. O meu testemunho, pelos meus atos de amor ao próximo é que vai ajudar a transformar o mundo, levando as pessoas a terem um outro olhar fazendo a diferença na comunidade”.


Leozir Fredo Junior (MECE, RCC, Terço dos Homens)
Paróquia Senhor Bom Jesus
Rebouças – PR
Setor Rio Azul

 “Vejo meu trabalho de ministro como uma grande benção de Deus, uma oportunidade imensurável de levar o Corpo de Cristo aos irmãos. Servir à Deus pra mim é algo que está acima de toda e qualquer coisa deste mundo”.

“Procuro no meu dia-a-dia agir de forma que as pessoas ao meu redor sintam a presença de Deus, trazendo elas para mais perto desse Cristo e sendo tocadas pelo seu amor. Sempre procuro convidar mais pessoas a participarem das missas, do grupo de oração e do Terço dos Homens, mas sinto que ainda posso fazer mais. Espero com meus gestos ajudar outras pessoas a doarem um pouco do seu tempo ao serviço da igreja e servindo aos propósitos de Deus para o mundo”.


Tatiane Jarentchuk da Silva e Marcos Roberto Ilczyszyn
(Participantes do ECC)
Paróquia Sagrada Família de Nazaré
União da Vitória – PR
Setor Sagrada Família

“A igreja tem nos convidado a sermos mais Igreja, dando oportunidade para nos dedicar ao seu serviço. Quanto mais nos envolvemos mais sentimos o amor de Deus por nós, e isso nos faz querer que mais famílias sintam esse amor. Essa experiência de ser útil à obra de Deus trouxe muitas bênçãos e graças à nossa família”.

“Quando você se envolve em algo por um bem maior, tudo na vida parece fazer mais sentido. Temos conseguido levar a Palavra de Deus para dentro dos corações e lares das famílias. Nosso bem maior hoje como casal é restaurar famílias, levando amor, cumplicidade, superação, fé e esperança”.


Maria Mariza G. Balbinotti
(Participa do ECC)
Paróquia Nossa Senhora das Graças e São José
General Carneiro – PR
Setor Bituruna.

“A igreja é a casa de Deus, é o nosso segundo lar. Nosso papel como leigo é ser sal, fermento e luz, ajudando no que for preciso e útil na comunidade. Me sinto muito bem servindo à minha comunidade, à Igreja”.

“Hoje sou catequista e busco sempre fazer o bem às pessoas que encontro. Procuro praticar a minha fé, seguindo o caminho que Jesus seguiu, evangelizando os outros e acreditando em um mundo melhor”.

 


Miraci Terezinha Maciel dos Santos
(Coordenadora da Catequese e MECE)
Paróquia Nossa Senhora de Fátima
União da Vitória – PR
Setor Catedral

“Sempre estive envolvida com a igreja; sou catequista desde 1981. Posso dizer que pertenço à minha comunidade desde sempre. É muito bom ver as antigas crianças trazendo seus filhos para a catequese, é sinal de que uma semente germinou. Gosto do que faço, pois faço com amor e testemunho, acho que isso faz a diferença”.

“Como cristãos leigos devemos nos preocupar com o mundo em que vivemos, entendendo o nosso tempo na história. Hoje, com a falta de fé e o pluralismo religioso se faz necessário um novo modo de agir; devemos tomar novas atitudes, anunciando um Jesus Cristo amoroso, levando as pessoas a se encantar por ele. Como diz o Papa Francisco: “Anunciar o Cristo é mostrar que crer Nele e segui-lo não é algo apenas verdadeiro e justo, mas também belo, capaz de cumular a vida de um novo esplendor e de uma nova alegria mesmo no meio das provações.”


Pascom Diocesana
Diocese de União da Vitória

b-frase-12
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*