Igreja Católica Apostólica Romana

Pascom: trabalho de comunicação na Igreja é estar a serviço da evangelização

Aprovado em março de 2014, o Diretório de Comunicação da Igreja no Brasil (Documento 99 da CNBB) define a Pastoral da Comunicação (Pascom) como eixo transversal de todas as pastorais da Igreja. Em sua missão, deve irradiar ações próprias do campo da comunicação com sentido pastoral, as quais ganham sentido na medida em que colaboram com a ação evangelizadora eclesial.

E é neste campo que atuam milhares de agentes e profissionais da comunicação em todo o Brasil. Mas o Documento da Conferência dos Bispos esclarece que o trabalho da Pascom não deve ser reduzido aos meios de comunicação, “pois ela é um elemento articulador da vida e das relações comunitárias”. A Pascom favorece o cultivo do ser humano enquanto pessoa que comunica valores, vivenciados a partir da Palavra.

O bispo auxiliar de São Paulo (SP), dom Devair Araújo da Fonseca, que é membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB, analisa que a realidade brasileira é “bastante complexa e diversificada”, condição que se reflete na atuação da Pastoral da Comunicação nos diferentes contextos.

“Há lugares em que a Pascom é a primeira responsável pelos serviços de comunicação da diocese e atua na coordenação direta de tudo que diz respeito à área. Em outras dioceses, há uma clara separação entre o atuar dos agentes da pastoral da comunicação, que realizam um trabalho de rede nas comunidades e paróquias, e o atuar dos profissionais contratados, que se responsabilizam pelos meios de comunicação diocesanos, a assessoria de imprensa etc.”, enumera.

São seis frentes de trabalho para a atuação da Pascom, de acordo com o Diretório:

1. Colocar-se a serviço de todas as pastorais para dinamizar suas ações comunicativas;
2. Promover o diálogo e a comunhão das diversas pastorais;
3. Capacitar os agentes de todas as pastorais na área da comunicação, especialmente a catequese e a liturgia;
4. Favorecer o diálogo entre a Igreja e os meios de comunicação, para dar maior visibilidade à sua ação evangelizadora;
5. Envolver os profissionais e pesquisadores da comunicação as reflexões da Igreja, para colaborar no aprofundamento e atualização dos processos comunicativos;
6. Desenvolver as áreas da comunicação, como a imprensa, a publicidade e as relações públicas nos locais onde não existem profissionais especificamente designados;

Tais ações da Pastoral, ensina o Documento 99, devem estar dentro de uma política global que gere comunhão e interatividade, alicerçada em quatro eixos: formação, articulação, produção e espiritualidade. “Sustentada por esses eixos, deve incentivar a reflexão e estimular ações com sentido comunicativo, que conduzam à comunhão e à ação evangelizadora”, lê-se no texto.

Para dom Devair, o Diretório contribuiu especialmente para deixar claras as especificidades de cada um dos âmbitos de atuação entre o trabalho pastoral e o trabalho profissional. “Percebemos que isso de fato ajudou as dioceses a encaminharem melhor os setores de comunicação”, comenta.

“Importante em meio a essa diversidade é não perder o horizonte que une todos – o grande campo de atuação dos que trabalham com comunicação na Igreja é estarem a serviço da evangelização, não importando se são agentes pastorais ou profissionais contratados”, salienta.

Apesar da clareza nas indicações do Diretório de Comunicação, na prática, há certa confusão em relação à aplicação da questão do voluntariado ou da profissionalização do trabalho de comunicação no âmbito eclesial no Brasil.

Perguntado se a prática de colocar voluntários para desempenhar funções de profissionais devidamente habilitados e formados vai de encontro com a Mensagem do papa Francisco para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, na qual reafirma o valor do jornalismo e do profissional jornalista (guardião da verdade), dom Devair explica e apresenta um desafio que se impõe.

Para o bispo, é importante que se incentivem os trabalhos voluntários, sobretudo em tempos de descentralização da produção de conteúdos e informações: “Em posse de um celular, todos têm um potencial enorme de comunicar. Trata-se de um serviço missionário, que deve brotar no coração de cada um que tem esse dom”.

Sobre a mensagem do papa dom Devair observa que o pontífice ressalta a necessidade de colaboração na retomada da credibilidade das instituições jornalísticas, sendo um dos caminhos a profissionalização. “Mas esse é um grande desafio, especialmente em dioceses menores, com pouco recursos. O que o Papa pede é que se valorize a qualidade da informação, e que ela seja nos padrões do jornalismo profissional”, ressalta.

“O ideal seria que esse profissional fosse pago e que se pudesse ter investimentos em tecnologia afim de que os nossos produtos sejam tão atraentes quanto os produtos das mídias não católicas. O que não impede que profissionais qualificados possam, na medida em que sintam esse chamado, colocar seus dons a serviço da missão evangelizadora da Igreja, que não deveria dispensá-los”, sublinha o bispo.

Para dom Devair Araújo, a acolhida ao voluntariado e a profissionalização são dois desafios difíceis, mas é necessário que ambos sejam trabalhados pelas dioceses.

.

.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*