Igreja Católica Apostólica Romana

Indiferença hoje – egoísmo

ESPERANÇA EM TEMPOS DE INDIFERENÇA

            Estamos em tempos de indiferença. Fala-se até da “globalização da indiferença”. Cada um tem seus interesses particulares e se fecha egoisticamente em seu pequeno mundo. Isto afeta a fé, a religião, a ética a política, enfim, toda a vida. Ainda é possível falar da esperança cristã nesta situação?

Esperança, fé e amor

            Não se pode viver a esperança cristã, uma das virtudes teologais, sem fé. Ou ainda vale dizer: ela não é demonstrável, não se pode provar, como um mais um é dois. Ela vai além das experiências puramente empíricas. Também as pessoas com esperança são atingidas pela onda da indiferença, do “salve-se quem puder”. Ninguém vive fora do mundo. Mas, como então viver a esperança?

            Isto somente será possível à medida em que se fundamente a vida na fé. Fé em Deus que antecipa, em sua promessa amorosa, aquilo que de fato ainda não se possui. Assim a esperança vai além do que se pode provar. Isto lhe é dado pela fé. Mas, como esta esperança vivida na fé pode ser compartilhada num mundo tão fortemente golpeado pelo egoísmo, pelo indiferentismo? O único caminho é juntar à esperança e à fé a terceira virtude teologal, o amor. No amor a Deus e no amor concreto ao próximo, como a toda a criação, a esperança se torna certeza e, é possível ser compartilhada com os demais, com toda a criação. No amor tudo é antecipado: Aquilo que se espera já se faz presente; mesmo que de forma imperfeita. Não há dúvida de que o amor ultrapassa as barreiras do egoísmo, mesmo que as pessoas ainda sofrem as consequências das inúmeras formas em que ele se apresenta.

            Por outro lado existe, no entanto, a necessidade da boa vontade nas pessoas que hão de interpretar os sinais de esperança no mundo da indiferença. Sem a boa vontade, nada se consegue. Poder-se-ia até dizer que somente lá onde há um mínimo de boa vontade a fé, o amor, e a esperança são revelados, são experienciados. O mundo não consegue ver esta realidade, mas ela é revelada aos pequenos e simples; aos puros de coração.

            A partir de Jesus, que amou até o fim, sabe-se que o amor abraça a cruz; e que a cruz leva ao julgamento. Diante dela, da cruz, todos deverão se decidir: a favor ou contra, aceitá-la ou rejeitá-la. À medida em que se foge da cruz cai-se no egoísmo; à medida em que se assume a cruz (de Jesus) liberta-se para o amor, e consequentemente à esperança verdadeiramente cristã. Espera-se o que ainda não se possui, não das próprias forças, mas do Deus que ressuscitou Jesus de entre os mortos.

Religião, ética e política

            Mesmo que a tentação de se fechar diante dos desafios do mundo pós-moderno seja grande para qualquer religião, o cristianismo não pode deixar de assumir sua função profética de denúncia e de anúncio. Hoje, mais do que nunca, o Evangelho deve ser Boa Notícia para este mundo do indiferentismo. Anunciar o Evangelho é missão da Igreja de Cristo.

            O Evangelho ilumina igualmente a ética dos povos, assim como sua política. Ética e política, valores hoje tão deformados em nossa sociedade, precisam ser permeadas da luz evangélica. Caso contrário, a globalização e a mercantilização da sociedade devorarão a dignidade e a vida de todos. Ética se baseia nas leis justas e na ordem para qualquer civilização; política busca o bem comum de todos. Sem o tempero da fé, da esperança e do amor, que a religião fornece para a sociedade, tanto a ética como a política se perderão nos labirintos do egoísmo. Assim como estas virtudes ultrapassam os limites próprios deste mundo, levam para o além sem deixar de estar neste mundo; também a missão da Igreja recobre as duas dimensões, a religiosa e a temporal. Sua missão é sempre evangelizadora: é evangelicamente que a Igreja faz política. Não faz política politicamente. É por razões evangélicas e éticas que a Igreja intervém quando a sociedade pisoteia os pobres, os pequenos, os miseráveis. Por isso ela condena qualquer corrupção, abuso do poder, injustiça ou mentira.

Novo começo

            Olhar para o mundo sem fé, sem esperança e sem amor é assustador. Confiar nos poderosos, nos sábios e nos ricos leva certamente ao abismo, ao fim de tudo. Porém, existem sinais de outra realidade: existem tantas pessoas que na simplicidade, na pobreza, na insignificância, e até no medo, ainda confiam e lutam por um mundo melhor, mais justo, mais fraterno e solidário. Pessoas que deixam o Evangelho regar a secura de suas vidas. Existem pessoas que não fazem alarido mas que vão ao encontro dos caídos à beira do caminho; existem os que não perguntam sobre o que levou a cair, não perguntam sobre o passado do caído; somente estendem a mão para ajudar a levantar. Existem aqueles que confiam em Deus e por isso agem.

            O Papa Francisco – grande sinal de Deus para o mundo – convida a humanidade toda para um novo começo mediante uma radical conversão ecológica, isto é, mudar a maneira de ver as coisas, todas as coisas. Não mais com olhar interesseiro, não mais fundado na vontade de poder-dominação-conquista, própria do mundo egoísta e corrompido, mas no cuidado responsável por tudo o que existe e que vive.

            Que nunca nos faltem a fé, a esperança e o amor; e que possamos colaborar para que a humanidade recomece uma nova história. História onde tem lugar para todos. Que as religiões, a ética e a política sejam para o bem de todos os povos, hoje e sempre.

Pe. Mário Fernando Glaab

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*