Igreja Católica Apostólica Romana

Vigília e missa com o papa neste domingo marcam o último dia dos jovens na JMJ

"Essa e a juventude do Papa", gritavam os jovens.

                          Vigília do Papa Francisco com os Jovens na JMJ 2013. Imagem Divulgação.

 

Chegada de Francisco no Panamá, saudando os jovens, do Papa Móvel.

Desde terça-feira, 22, jovens de 147 países estão reunidos no Panamá para a Jornada Mundial da Juventude. Também muitos bispos, sacerdotes, religiosos e demais leigos se fazem presentes. Além das catequeses pregada por bispos, momentos de peregrinação e devoção, a madrugada de sábado, 26, para domingo, 27 é marcada pela Vigília dos jovens com o Papa, até o encerramento com a missa no domingo pela manhã.

Na quarta-feira, 23, aguardando a chegada no papa Francisco, jovens pela rua e pelo corredor onde o papa móvel passou, gritavam, “Essa é a juventude do papa”.

Segundo um dos sacerdotes do estado do Paraná, presente na JMJ,  é um verdadeiro milagre a inspiração de João Paulo II instituir a JMJ, em 1986. “O carisma de João Paulo II contagiou tanto a juventude que faz jovens de nacionalidades do mundo inteiro se reunirem em um único lugar, por amor à Igreja e por um carinho especial ao papa”, testemunhou o sacerdote.

Presenças de bispos e cardeais na JMJ no Panamá tem grande expressão.

O religioso ainda frisou que a JMJ além do encontro dos jovens, é um encontro da Igreja toda, e um ‘Novo Pentecostes’. “A presença de bispos e cardeais do mundo inteiro, milhares de sacerdotes acompanhando seus grupos de jovens, de leigos, pais, faz a Igreja se sentir mais rejuvenescida pelo entusiasmo e pela esperança para o mundo, que a JMJ desperta. É um novo Pentecostes pelo entusiasmo, e pela alegria da juventude. O Espírito Santo renova, anima e santifica a Igreja”,  relata o padre, admirado.

Em um de seus discursos, o Pontífice comentou que a escolha da jornada no Panamá é simbólica para um lugar de encontro, pois o local onde há o encontro dos dois oceanos, Pacífico e Atlântico, remete à reflexão de que a JMJ é momento e local de encontro, não apenas para se cumprimentar e ir embora, mas para caminharmos juntos. “Esse nosso encontro não é para nos cumprimentarmos e cada um seguir sozinho o seu caminho, mas para caminharmos juntos, um ao lado do outro”,  dizia Francisco.

O Pontífice ainda exortava à juventude para não perderem a capacidade de sonhar, sonhar a construção de um mundo novo. “Jovens não percam a capacidade de sonhar, de construir um mundo melhor, construir pontes e não muros. Isso só é possível naquele que personaliza em si todos os sonhos, Jesus. Devemos seguir a Jesus, caminhar com Jesus, olhar para Jesus, seguir a Jesus”,  exortava o papa.

O estado do Paraná participa com uma expressiva representação, com jovens de várias cidades, entre elas, Ponta Grossa, Curitiba, e outras cidades  que compõem o Regional Sul 2 da CNBB, Dom Amilton Manoel da Silva, bispo auxiliar de Curitiba, responsável pelo Setor da Juventude no Regional do Paraná, também está presente, tendo sido um dos conferencistas nas Catequeses.

Áudio de Dom Amilton dando seu testemunho do 3º dia da JMJ.

Dom Amilton – 3º dia da JMJ Panamá

Dom Amilton Manoel da Silva é um dos bispos catequistas da JMJ no Panamá.. Ele conta como foi o 3º dia da Jornada.

Publicado por CNBB SUL 2 em Sexta-feira, 25 de janeiro de 2019


Texto: Marcelo S. de Lara

Pascom Diocesana

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.