Igreja Católica Apostólica Romana

PASCOM da paróquia de Viçosa – MG entrevista Mons. Walter Jorge

“Na Igreja de Jesus, quanto mais se ascende nos encargos confiados, tanto mais se deve descer para servir”. (Mons. Walter Jorge).

A Pastoral da Comunicação (PASCOM) da paróquia São João Batista, da cidade de Viçosa – MG, realizou uma entrevista com o Monsenhor Walter Jorge Pinto, por ocasião de sua nomeação para ser bispo da Diocese de União da Vitória – PR. Com uma ligação forte com a comunidade de Viçosa, onde foi o primeiro pároco da paróquia São João Batista, e na qual irá realizar sua ordenação episcopal no dia 30 de março, na missa das 10h, o Monsenhor fala de sua aceitação ao convite do Papa Francisco para ser bispo e relata os desafios da nova missão.

Matriz São João Batista, cidade de Viçosa – MG, local da ordenação episcopal do Mons. Walter Jorge. (Imagem PASCOM Paroquial).

Entrevista

PASCOM : Juca sempre dizia que o senhor ainda seria bispo. O senhor também tinha esse desejo?

Mons Walter: Pois é, o Juca e mais um tanto de pessoas dando uma de profeta… Mas, nunca desejei ser bispo, pois isso não é algo que se deseja. Normalmente, um vocacionado deseja ser padre; não é muito comum aspirar ao episcopado. Ser bispo é algo que só se aceita como um desejo de fazer a vontade de Deus, pois se trata de uma missão extremamente exigente em todos os sentidos. Sem dúvida, é uma grande honra, pois saber-se chamado por Jesus para a continuidade do Colégio dos Apóstolos é algo grandioso. No entanto, só pode ser entendido como serviço, tendo o próprio Cristo como modelo. Na Igreja de Jesus, quanto mais se ascende nos encargos confiados, tanto mais se deve descer para servir.

PASCOM: Quando o senhor ficou sabendo da nomeação? Como se sentiu ao saber que tinha sido indicado?

Mons. Walter: Fiquei sabendo ainda em dezembro, quando ia para Ubá, visitar meus pais. Foi um momento muito emocionante e tenso, pois sabia que, apesar da beleza imensa do chamado, a responsabilidade seria também muito grande. Assim, posso dizer que fiquei muito feliz e honrado, mas, ao mesmo tempo, preocupado por me sentir pequeno para tamanha missão.

PASCOM: Como é feita a escolha de um novo bispo para a Igreja?

Mons. Walter: Primeiramente, os nomes são indicados pelos bispos. Em seguida a Nunciatura Apostólica (uma espécie de embaixada do Vaticano no país) inicia o processo das consultas, enviando um longo questionário acerca do candidato para inúmeras pessoas que o conheçam, entre bispos, padres, diáconos, religiosos(as) e leigos(as). Após essa consulta, é feita uma seleção daqueles nomes cujas referências foram satisfatórias. Quando uma diocese fica vacante (sem bispo), são levantados alguns desses nomes para uma possível nomeação. Tendo ouvido os bispos daquele Regional onde se encontra a diocese vacante, a Nunciatura envia uma lista com três nomes para o Papa, que, por fim, nomeia um deles para aquela diocese. Feito isso, há uma breve consulta ao candidato se aceita ou não a nomeação. Se aceitar, o Vaticano então confirma aquele padre como bispo nomeado para a diocese.

“Na Igreja de Jesus, quanto mais se ascende nos encargos confiados, tanto mais se deve descer para servir”.

PASCOM: Como tem sido o tempo de espera pela ordenação?

Mons. Walter: Tem sido um tempo de muita oração, pois é ela quem nos sustenta e faz compreender os desígnios de Deus a nosso respeito. Também tem sido um tempo de muito trabalho, pois num curto espaço de tempo é preciso preparar a ordenação episcopal e a posse canônica na diocese para a qual fui nomeado. Além disso, é um tempo difícil, pois aquelas seguranças que eu tinha enquanto padre, como o conhecimento da missão que me era específica, o estar situado num lugar conhecido, cercado de gente conhecida, tudo isso cessou e a impressão é que a gente fica “sem chão”. Também saber que se vai para longe da família e dos amigos, dos padres e diáconos e também dos leigos e leigas, não é algo fácil de ser enfrentado. Tenho me sentido como o que penso ter se sentido Abraão, quando o Senhor o chamou para sair de sua terra, deixar suas seguranças e partir. No entanto, vou com fé, pois vou nos braços de Deus e na proteção da Mãe de Jesus, que é também nossa Mãe, feliz por saber que estou dizendo o meu sim a Ele.

PASCOM: Quais suas expectativas quanto ao trabalho que terá pela frente?

Mons. Walter: Sei que será um tempo de aprendizado, pois trata-se de uma nova missão. Creio que haverá desafios, mas também muitas coisas bonitas, pois a Igreja é a mesma, o reino é o mesmo e sei que estarei junto a muita gente que quer fazer este reino acontecer pela fé e pela doação de vida. Acredito que encontrarei muita gente boa, como encontrei nos trabalhos enquanto padre. Terei que aprender muito, tanto sobre como desempenhar a contento a missão, quanto aprender sobre as pessoas daquela região, em especial sobre as influências trazidas pelos migrantes, sua cultura, seu jeito de ver a vida.

PASCOM: Poderia deixar uma mensagem para os fiéis de São João Batista?

Mons. Walter: Quero agradecer muito aos amigos e irmãos desta paróquia tão querida, onde passei a maior parte do meu sacerdócio. Tenho plena convicção que Deus me levou a esta paróquia para os grandes aprendizados que deveria aí fazer. Levarei por toda a vida recordações muito bonitas de tanta coisa boa que vivemos juntos nesta paróquia. Peço que nunca se esqueçam de rezar por mim, como um irmão e membro da comunidade que Deus enviou para mais longe, como um missionário, para contribuir com o seu reino em outras paragens. Saibam todos que os terei sempre em meu coração.

PASCOM: E uma mensagem para nossos jovens?

Mons. Walter: Aos jovens quero dizer que sejam jovens de Deus, que estejam no mundo para cristianizá-lo e não para serem formatados por ele. Que nunca se esqueçam que são o sal da terra e a luz do mundo e que só cumprindo a missão específica de salgar e iluminar é que a vida valerá a pena. Que saibam que Jesus continua a chamar alguns especificamente para o sacerdócio, como chamou Pedro, Tiago, João e tantos outros ao longo desses dois milênios da história da Igreja. Seu desejo é que a messe não se perca por falta de pastores. Portanto, se algum se sente atraído em gastar toda a sua vida, em todas as horas do dia com Jesus e seu reino, com as ovelhas pelas quais Ele deu sua vida, que não tenham medo, que aceitem seu convite para ir a águas mais profundas e se tornarem pescadores de homens. Garanto que não se arrependerão em viver assim, toda uma vida, na companhia próxima do Senhor.

Matriz São João Batista. Imagem Frontal. (Fonte: PASCOM Paroquial).

PASCOM: Monsenhor Walter, agradecemos imensamente todo seu carinho com nossa paróquia, por ter arregaçado as mangas conosco, nos contagiando com os seus sonhos.

Que Deus o abençoe grandemente e lhe retribua por tanto amor e generosidade a nós dedicados. Conte sempre com nossas orações! Estamos muito felizes com a sua nomeação e temos certeza que a nova missão será muito frutuosa.

Parabéns e muito obrigado!

 

Entrevista e fotos: Pascom Par. São João Batista – Viçosa – MG
Postagem: Setor de Comunicação – Diocese de União da Vitória

FOTOS DA MATRIZ SÃO JOÃO BATISTA – Viçosa – MG

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.