Igreja Católica Apostólica Romana

Bispos dos EUA temem possível suspensão do programa para refugiados

Um artigo publicado na revista “Politico” deixou os bispos americanos muito preocupados. Na reportagem assinala-se que o governo Trump pretende suspender o programa de reinserção nos Estados Unidos dos refugiados que fogem de perseguições e guerras

Cidade do Vaticano

A notícia foi definida “inquietante e contrária aos princípios que temos como nação e povo”, escreveu o bispo Dom Joe S. Vásquez, presidente da Comissão para a Imigração da Conferência Episcopal dos Estados Unidos. “Oponho-me firmemente a qualquer ulterior redução do programa de reinserção dos refugiados”, declarou Dom Vásquez, que considera o oferecimento de refúgio “aos que fogem das perseguições religiosas ou de outra natureza, um marco histórico, que caracteriza a grandeza deste país” e não aceita a decisão de pôr fim ao programa, exatamente no auge da maior crise humanitária vivida desde o início deste século.

Cortes da administração Trump à entrada de refugiados no país

Em 1980, os EUA aprovaram uma lei sobre os refugiados que permite a entrada de uma média de 95 mil refugiados por ano. Nos últimos anos entraram entre 50 a 75 mil pessoas por ano. A administração Trump cortou as entradas, reduzindo-as a 45 mil no primeiro ano de governo, 30 mil em 2019 e as previsões, seriam de chegar a zero em 2020.

Trabalhar para a globalização da solidariedade

“Todo refugiado reinserido nos Estados Unidos passa por um amplo processo de controle que muitas vezes requer de 18 meses a dois anos para ser completado”, observou o presidente da Comissão detalhando que no programa de acolhida são feitas entrevistas ao vivo e vários controles aprofundados por parte de várias agências e departamentos governamentais. Além disso, “muitos destes refugiados têm ligações familiares nos Estados Unidos e logo começam a trabalhar para reconstruir suas vidas e enriquecer sua comunidade”. Dom Vásquez espera que sejam restabelecidos os números do precedente programa de reinserção, isto é 95 mil, para “não deixar os refugiados em perigo” e citando o Papa Francisco convida a “trabalhar para a globalização da solidariedade com os refugiados, e não para uma globalização da indiferença”.

Em 2019 entraram refugiados de 10 países, mas não da América Central ou México

O último relatório do Departamento de Estado Americano confirmou que em 2019 os primeiros dez países de origem dos refugiados que foram admitidos no país foram: Congo, Myanmar, Ucrânia, Eritreia, Afeganistão, Síria, Iraque, Sudão, Burundi e Colômbia. Na lista não estão presentes os países de fronteira ou da América Central, objeto de ordens executivas particularmente severas por parte do Presidente Trump.

VaticanNews

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.