Igreja Católica Apostólica Romana

Palestra no Muticom desafiou participantes a humanizar as Mídias Sociais

"Essencialmente, evangelizar é comunicar. E a comunicação se transformou. Os modos de ser mudaram!”,

Encerrou neste domingo, 18, a 11ª edição do Mutirão Brasileiro de Comunicação – Muticom, que se deu na cidade de Goiânia, capital de Goiás.  Com o tema Comunicação, Democracia e Responsabilidade Social o evento refletiu sobre os caminhos e as perspectivas das relações entre a Igreja Católica, a sociedade brasileira e a cultura contemporânea, no campo da comunicação. O evento contou com agentes da Pastoral da Comunicação de todo o Brasil, estudiosos e pesquisadores na área de Comunicação, alem de contar com palestrantes renomados.

Uma das Conferências foi realizada pelo jornalista e professor Moisés Sbardelotto, que tratou de “Midiatização e responsabilidade na Igreja e no mundo”. Comunicadores e comunicadoras de todos os cantos do país foram provocados a respeito da responsabilidade social da comunicação e do papel de cada um neste processo.

Em referência ao estudioso jesuíta Pedro Gomes, o conferencista falou sobre o novo modo de ser no mundo, o “bios midiático”, onde, para compreender-se, o indivíduo e a instituição necessitam se conectar com a “chave hermenêutica”, a lógica de pensamento que a sociedade estabeleceu como valor. “Os modos de ser mudaram!”, disse Sbardelotto, ressaltando que o ser padre, cidadão, mãe, amigo, namorada, e, também, o modo ser cristão mudou.

“Essencialmente, evangelizar é comunicar. E a comunicação se transformou”, pontuou. Hoje, os grandes mediadores são cada vez menos necessários. As pessoas acordam verificando as atualizações das redes sociais e não deixam de conferi-las antes de dormir. Segundo o palestrante, com a “virada midiática”, as mudanças que gritam em comportamentos cotidianos e relacionamentos diários também são construídas no âmbito das estruturas de jogo político e processo democrático.

O conferencista explica que fenômenos como eleições protagonizadas por um uso intenso de mídias sociais, desprivilegiando a mídia tradicional, evidenciam o protagonismo do indivíduo e a exploração de elementos de simplicidade empobrecedora do diálogo, carregados de agressividade e ódio. Exemplos disso são os conhecidos “memes”. Segundo ele, não há diversidade, apesar do excesso de informação. Consome-se mais do mesmo e cultiva-se a indiferença ao outro, o que faz emergir a irresponsabilidade quanto ao que é dito, e culmina nas temíveis fake news.

O deixar de se importar como outro é produzir sua morte, disse o professor, após citar o documento Laudato Si (nº 47), no qual o papa Francisco escreve que “a morte do outro é extremamente preocupante”. O mundo carece, com urgência, de uma comunicação para a paz. Nesse sentido, citando, uma vez mais, o Santo Padre, trouxe: “comunicação de paz é aquela que é feita por pessoas e para pessoas, considerada serviço a todas as pessoas, especialmente àquelas – e no mundo são a maioria – que não têm voz”. Ao final, dois desafios foram propostos: #OcuparAsRedes e #HumanizarAsRedes Assim, concluímos para começar, disse ele.

Texto: Marizângela Anjos Tomás, estudante de Direito da PUC Goiás
Fonte: Site Muticom 2019.
Imagens: Site Muticom

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.