Igreja Católica Apostólica Romana

Aproxima-se o Mês Vocacional – Como discernir a Vocação?

Aproximando-se de Agosto, Mês Vocacional, o site da Diocese traz aqui uma ajuda a possíveis vocacionados que estejam tentando descobrir sua Vocação.

Impossibilitado pela Pandemia do Novo Coronavírus, o Seminário Diocesano não pode ainda realizar os Retiros Vocacionais, que visam auxiliar jovens a discernir o chamado que Deus os faz.

Para ajudar, trazemos aqui dois lindos testemunhos de quem com sabedoria souber ouvir a Voz de Deus em seu coração, Maria-Mãe de Jesus, e o Apóstolo Paulo, além de apontar alguns passos que podem auxiliar no discernimento.

A Vocação de Maria – Serva Fiel

A relação de Deus com a humanidade é uma Aliança de amor. Maria, Mãe de Jesus é um dos exemplos de quem foi fiel a esta Aliança, respondendo ao convite de Deus e mantendo com Ele uma relação de amor até o fim. Seu sim foi repetido durante toda a sua vida até nos momentos mais difíceis. Maria entregou-se totalmente a Deus, e soube reconhecer a ação de Deus em sua vida. “Realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo” (Lc 1,49). Assim, em Maria depositamos nossa confiança de espera, vendo nela um modelo para os vocacionados, moldado no silêncio, na entrega, e na confiança total em Deus. E se como Maria nos perguntarmos: “Como acontecerá isso? ”, confiantes possamos responder: “Para Deus nada é impossível”!

A Vocação de Paulo – De perseguidor à perseguido

De perseguidor da Igreja, Saulo se torna Paulo, o Apóstolo das Missões. Sua mudança radical de vida foi por ele mesmo reconhecida como ação de Deus. “Quando, porém, aquele que me separou desde o seio materno e me chamou por sua graça, houve por bem revelarem mim o seu Filho, para que eu o evangelizasse entre os gentios” (Gl 1, 15).

Assim foi com Jeremias, quando toma consciência de que Deus o chamou para ser profeta. “A palavra do Senhor me foi dirigida nos seguintes termos: Antes mesmo de te formar no ventre materno, eu te conheci; antes que saísses do seio, eu te consagrei. Eu te construí profeta para as nações” (Jr 1, 4.5).

O Evangelista Lucas, discípulo de Paulo, confirmava a grandeza de vocação de Paulo: “Mas o Senhor insistiu: “Vai, porque este homem é para mim um instrumento de escolha para levar o meu nome diante das nações pagãs dos reis, e dos filhos de Israel” (At 9, 15; Capítulos 22 e 24).

Toda vocação é especial, é impar, com carisma próprio e cheia de mistérios. Daí a pergunta: por que com aquele foi realizado tal obra e com esse não? É mistério. Pois em um chamado só devemos responder, mas os frutos é Deus quem os realiza como quer e quanto quer.

A graça da vocação leva a pessoa ao caminho do autoconhecimento e a busca ardente de perfeição. É a felicidade da vocação que dá sentido a vida, e que iluminado pela Trindade constrói grandes obras.

Para gerar bons frutos, o vocacionado precisa ter convicção de sua vocação, desempenhando com amor o serviço a Deus. Aquele que é chamado precisa também ter a convicção de que necessita da Graça de Deus em sua vida. Assim, mesmo nos sofrimentos continuará firme na resposta dada à Deus. Nada é superior a vocação divina e nenhum sucesso preenche a fuga de uma vocação. O bem que se faz para a Igreja e para a humanidade respondendo ao chamado de Deus é imensurável

7 Passos para um Discernimento Vocacional

1) ORAÇÃO

Senhor, que queres que eu faça?” (At. 22,10)

A vocação não é algo que você inventa, mas uma Realidade que você é. Não é um projeto que você tem para sua vida, mas uma missão que vem da amizade que Jesus oferece a você e convida-o a realizar.

2) PERCEPÇÃO

Para descobrir o que Deus quer é necessário ouvir, observar e fazer a experiência. Isto exige crescer no “silêncio interior”; para reconhecer a voz de Deus e não confundir a vocação com seus desejos, medos, fantasias, anseios, seus particulares. Ouça seu coração: o que é que você quer? Aprenda a observar as pessoas ao seu redor: o que Jesus mostra a você por meio delas?

3) INFORMAÇÃO

Os caminhos através dos quais se pode responder à uma vocação são variados. Procurar conhecer alguns estilos de vida religiosa como, a diocesana, contemplativa, missionária, a vida de casado, pode ajudá-lo a sentir onde Deus o chama. Sinta o que lhe atrai mais do que tudo. Observe como eles vivem.

4) REFLEXÃO

É fundamental refletir sobre sua vida, o sentido que deseja colocar em sua existência. Você não pode lançar-se nesta aventura sem primeiro pensar seriamente sobre você, e a nova vida que pretende abraçar. Pense se você pode viver as exigências que implicam uma vocação. Em algumas dificuldades você poderá contar com auxílio de outras pessoas ou melhorar algumas habilidades onde sente-se mais frágil, mas é preciso sentir que está no lugar certo.

5) DECISÃO

Enquanto desciam pela rua, ele lhe disse: ” Eu te seguirei aonde quer que vá” (Lc 9, 57).

Tendo descoberto o que Deus quer de você, busque responde-lo e segui-lo com generosidade. Tomar a decisão é difícil. Você vai temer. Seus limites vão parecer montanhas: “Ah, Senhor Deus, eu não sei como falar, eu sou muito jovem” (Jr 1, 6). Mesmo junto com as limitações é preciso responder como Isaías: “Eis-me aqui, envia-me! ” (Is 6, 8). Peça ao Espírito Santo para dar-lhe a coragem de dizer o ‘Sim’.

6) AGIR

Tome uma atitude!

Sua decisão comprometerá todo o seu passado e futuro. A única maneira de realizar o plano de Deus na vida é a fidelidade de todos os dias. Viver cada momento, de acordo com o que decidiu, dirigindo seus passos em direção à meta. Nas dificuldades, persevere! “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e me siga” (Lc 9, 23).

7) ACOMPANHAMENTO VOCACIONAL/ DIREÇÃO ESPIRITUAL

O discernimento do plano de Deus é necessário fazer com a mediação da Igreja. Por isso, um diretor espiritual é importante para motivá-lo, rezar com você e ajudar a entender os sinais da vontade de Deus. Descobrir a vocação não é fácil, mas não impossível. Se você buscar com sinceridade a vontade de Deus, e seguir os passos que sugerimos, isso irá ajudá-lo. Deus é o primeiro interessado em que você perceba sua vocação. Pedir a intercessão de Maria e de outros santos também pode ajudá-lo.

Diego Ronaldo Nakalski
Seminarista do 4º ano de Teologia
Postagem: Setor de Comunicação

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.