Igreja Católica Apostólica Romana

Paróquia São Miguel Arcanjo

SETOR
Catedral

Fundação:
29/01/1981

Secretária:
Joicyele

Expediente:
Segunda, quarta e sexta-feira: 13h às 17h
Terça e quinta-feira: 8h as 12h

Dia do Padroeiro:
29 de setembro

TELEFONE
(42) 3573 1156

E-mail:
par.miguel@dioceseunivitoria.org.br

Endereço:
Rua Ermínio Moser, 599
84610-000 – PORTO VITÓRIA – PR

Missas:
Sábado: às 19h
Domingo: às 9h

Pe. Emílio Bortolini Neto

Pároco: Pe. Emílio Bortolini Neto

SACRAMENTOS

Curso de Pais e Padrinhos:  Todo terceiro domingo do mês, às 15h.

Batizados:  Todo terceiro domingo do mês.

Curso para noivos, Primeira Eucaristia e Crismas: Consulte a Paróquia.

Histórico

Ao chegar a Porto Vitória somos surpreendidos com uma das paisagens mais encantadoras da nossa região. Ao longe vislumbramos na colina, a Igreja Matriz de São Miguel Arcanjo, cuja torre se destaca imponente, como sinal emblemático de uma comunidade de fé e logo a seguir se destaca o salto do Rio Espingarda, na entrada da cidade, um presente de Deus, que nos acolhe num cenário de rara beleza.

Existem registros históricos de que um dos primeiros a visitar estas terras, no início da República, nos idos de 1891, foi o Padre Ponciano, considerado como pioneiro, “que o sertão agreste desbravou”. Conta-se que o Padre andando em terras hoje pertencentes ao Município de Porto Vitória, ao atravessar um rio, perdeu a sua espingarda, e por isso o rio que perpassa o Município recebeu o nome de Rio Espingarda.

Porto Vitória fica localizado, no sul do Estado do Paraná, à margem esquerda do Rio Iguaçu, sendo que sua sede fica a 25 km de União da Vitória, configurando-se como um pequeno Município, com pouco mais de quatro mil habitantes.

A escolha do santo padroeiro tem uma história interessante. Por volta do ano de 1915/1917, quando já muitas famílias tinham se fixado nesta encosta à margem do Iguaçu, acima das corredeiras, as pessoas começaram a sentir a necessidade de se ter um padroeiro, um protetor nesta empreitada de se instalar nas novas terras. Constatando este sentimento, próprio de um povo de fé, de princípios religiosos, herança que trouxeram do Rio Grande do Sul, de onde veio a maioria dos primeiros colonos, o vendedor dos terrenos da companhia colonizadora, Miguel Matt, se propôs a dar um presente. Disse que faria a doação de uma imagem, se o santo a ser escolhido como padroeiro, fosse São Miguel Arcanjo. A proposta foi aceita pelos moradores e o Pedro Schnorr, um dos pioneiros, fez a doação do terreno onde foi construída uma pequena Capela e hoje se encontra todo o complexo da Igreja Matriz. Com relação à imagem, se trata da mesma imagem que a poucos anos foi restaurada e se encontra no altar principal da Matriz. São Miguel Arcanjo também é o Padroeiro do Município de Porto Vitória e sua data é comemorada no dia 29 de setembro. Entretanto, a festa em honra do Padroeiro, também conhecida como “Festa do Kerb”, precedida de novena e tríduo preparatório, acontece sempre no último domingo de setembro. Esta festa já se tornou tradicional e se firmou como uma das maiores festas do Município e da região, crescendo ano a ano.

A benção da pedra fundamental da Igreja Matriz, denominada como “nova Igreja”, ocorreu no dia 1º de maio de 1938, pelo então Bispo de Ponta Grossa, Dom Antônio Mazarotto, ao lado da capela, localizada onde hoje está a Casa Paroquial, também reestruturada recentemente. A construção foi erigida sob a presidência do Reinoldo Meinerz e, a coordenação dos trabalhos, estava a cargo do Pedro Scheid (mestre de obra) que contaram com uma valorosa equipe de pedreiros, carpinteiros, carroceiros e outros voluntárias da comunidade, que se uniram para erguerem esse templo.

Na época, quem assistiu a comunidade e acompanhou todo o processo de construção foi o Frei Policarpo, o qual havia trazido alguns modelos de Igreja para o pessoal se orientar. O material destinado à construção da Igreja, em grande parte veio com as embarcações, pelo Rio Iguaçu, e transportado até o local de carroça. Logo de início, foi adquirido um Altar, o qual foi pago em prestações para ornamentação da “Casa do Senhor”. A primeira Missa rezada nesta Igreja, presente e imponente até em nossos dias, foi celebrada em 29/09/1941 , dia de São Miguel Arcanjo.

Nas décadas 1950 e 1960, vários padres passaram pela comunidade católica de Porto Vitória.  Em 1949 passou o Padre João Canísio, em 1951, esteve por aqui o Padre Wendelino Seidel. Também deixaram a sua marca o Padre Franciso Filipak, o Padre José, o Frei Pedro e de uma forma mais marcante, a partir do ano de 1957, o Padre Francisco Xavier Högger, pertencente à Paróquia Nossa Senhora da Salete, de São Cristóvão, muito benquisto na comunidade; atendeu a Igreja de São Miguel Arcanjo, pelo menos uma vez por mês. Nos outros domingos sempre havia a reza do terço e ensaios de canto com o Coral Santa Cecília, um orgulho da comunidade, que era ensaiado pelos irmãos Bertoldo e Vicente Vier, com várias vozes, que teve apresentações memoráveis, comentadas até quase meio século depois.

Foi neste período que a comunidade comprou o Altar, tão cheio de detalhes e recentemente reformado, da Igreja do Sagrado Coração de Jesus, que hoje é a Catedral de União da Vitória.

O Padre Xavier ficou muitos anos atendendo em Porto Vitória, sendo a então capela de São Miguel Arcanjo funcionando muito bem, com catequistas competentes e uma comunidade unida, pois nesta época, sob a presidência do Senhor Bertoldo Vier, foi construído o Pavilhão de Festas, a partir de campanhas da Diretoria, doações de pinheiros pelos membros da comunidade, serrados na antiga PUDEMA LTDA., transformando-se num grandioso salão de festas.

 Na década de 1970, quem atendeu Porto Vitória foram os Padres Capuchinhos, que fundaram um novo Instituto Religioso e se instalaram na Igreja de Nossa Senhor do Rocio, onde permaneceram por muitos anos. Às vezes, o então MECE Ulisses Sebben se fazia presente, quando nenhum padre pudesse vir, para rezar culto e ensaiar cantos novos, agora com o povo todo, pois já começara a mudança das celebrações litúrgicas, promovendo mais a participação do povo.

Com a Instalação da Diocese de UVA, o Ministro Extraordinário da Comunhão Eucarística da comunidade foi Henrique Kampmann, homem de fé, que durante anos auxiliou os sacerdotes na celebração da Santa Missa, ou na direção do Culto, bem como na assistência aos doentes, levando a sagrada comunhão.

A Diretoria Comunitária da Capela, dos finais dos anos 80, contando com o apoio do Município e de toda a Comunidade, não mediu esforços para erguer a Casa Paroquial, realizando diversas promoções, tendo em vista, a iminência da transformação da Capela em Paróquia, com o encorajamento de Dom Walter, Bispo de UVA.

Oficialmente a Paróquia de São Miguel Arcanjo foi fundada em 31 de janeiro de 1981, desmembrada da Paróquia Nossa Senhora do Rocio, de União da Vitória, onde estavam os padres capuchinhos, que durante muitos anos atenderam a comunidade, como o Frei Justino Dotti, Frei Celestino Dotti, Frei Tiago, Frei Efreim  e Frei Bruno Fardo, devido às necessidades pastorais vigentes.

A Paróquia de São Miguel Arcanjo de Porto Vitória, foi uma das primeiras paróquias erguidas por Dom Walter Michael Ebejer, que estava iniciando suas atividades como Bispo Diocesano de União da Vitória. O primeiro vigário designado foi o Frei Bruno Fardo, pertencente ao Instituto dos Padres Capuchinhos do Rocio, já conhecido da comunidade. O Frei Bruno não ficava direto na Casa Paroquial. Vinha nos finais de semana, quando sempre tinha Missa e aos poucos foi estruturando as atividades pastorais e apontando as responsabilidades da paróquia nascente, permanecendo à frente da mesma até o início do ano de 1984.

No período de 16 de janeiro a 28 de fevereiro de 1984, a Paróquia esteve sob comando do recém ordenado sacerdote diocesano, João Rubens Sinderski, que na seqüência, foi transferido para General Carneiro, onde assumiu a Paróquia da Igreja Matriz. 

Como não havia padre disponível, o próprio Bispo, Dom Walter passou a atender a Paróquia de São Miguel Arcanjo, aos domingos, até 29 de julho de 1984, fazendo-se acompanhar a partir de abril, do Diácono Mário Fernando Glaab.

Com a ordenação presbiteral do Diácono Mário Fernando Glaab, filho de Porto Vitória, foi possível a sua nomeação como Administrador Paroquial,  permanecendo à frente da Paróquia, de 29 de julho de 1984 a 11 de junho de 1987, sendo essa sua primeira experiência como sacerdote.

Depois, por um mês e oito dias, esteve à frente da Paróquia, o Padre Walter Luiz Schwab, no período compreendido de 12 de junho de 1987 a 20 de julho de 1987, sendo que o Pe. Mário retornou em 21 de julho de 1987, permanecendo até 08 de agosto de 1988, período em que foi construída a Casa de Catequese Santa Maria Goretti, aproveitando-se parte do material da antiga Casa Paroquial.

Posteriormente, de 08 de agosto a 25 de setembro de 1988, a Paróquia passou para o Padre Aquiles Ramos Berton, O próximo Administrador Paroquial designado, foi o Padre Walter Luiz Schwab, que retornou à Paróquia em 25 de setembro de 1988, permanecendo na função até 30 de setembro de 1990. Na seqüência, o Padre Aquiles Ramos Berton, mais uma vez foi designado para a Paróquia de São Miguel Arcanjo, vindo a assumir em 06 de outubro de 1990, permanecendo até 28 de dezembro do mesmo ano.

No dia 28 de dezembro, o recém ordenado Padre Silvano Surmacz foi designado para assumir a Paróquia, permanecendo como administrador paroquial até 11 de janeiro de 1998, deixando marcas de um grande trabalho e muitas amizades. Foi o Padre Silvano que começou com um grupo de teatro da comunidade, voluntários, a encenação da Paixão, morte e Ressurreição, na sexta-feira santa à noite, que todos os anos reúne uma multidão na Praça Dr. Lauro Muller Soares, que depois segue em procissão até em frente à Igreja Matriz,  onde acontece a cena da morte e triunfante Ressurreição de Jesus. Outra prática piedosa introduzida por ele foi a procissão matutina das sextas-feiras, durante a quaresma, no percurso Igreja Matriz – Capela São José e vice-versa, que já tradição, sendo acompanhada por muitas pessoas.

Na seqüência, depois de voltar dos estudos em Roma, retornou o Padre Mário Fernando Glaab, que liderou espiritualmente a comunidade até 26 de fevereiro de 2001. Depois de sua transferência foi a vez do Padre José Chipanski, Vigário Geral da Diocese, partilhar de sua experiência e profundidade junto ao povo da Igreja Matriz e das comunidades da área de abrangência da Paróquia de São Miguel Arcanjo, que foi designado em 02 de março de 2001 e permaneceu até o dia 19 de janeiro de 2003. Nesse período foi feita a reforma geral da Igreja Matriz, com destaque para a pintura interna e externa e o telhado.

 Atualmente, quem responde pela Paróquia, desde o dia 20 de janeiro de 2003, é o Padre Jandir Antenor Vergopolan, jovem, amigo e dono de grande coração, que conta com o apoio do Diácono Gilmar Pinho, homem de fé, muito preparado para a missão, registrando-se que no ano passado, realizou-se a reforma geral e a mobília da Casa Paroquial.

A Paróquia de São Miguel conta atualmente com treze capelas, sendo uma na cidade, bastante forte, a Capela São José e as demais nas localidades organizadas que fazem parte da área da Paróquia. Algumas têm Capelas e outras utilizam as dependências de uma Escola, porém, todas têm diretorias comunitárias constituídas, promovem suas festas e participam dos encontros mensais do Conselho Paroquial de Pastoral  CPP.

A Paróquia de São Miguel Arcanjo têm produzido várias vocações sacerdotais e religiosas, entre as quais mencionamos O Padre Mário Fernando Glaab, seu irmão, Frei Bruno Godofredo Glaab, Diácono Permanente, Gilmar Pinho, Irmã Maria Kampmann, Irmã Maria Silvia Meinerz, Irmã Keli Maguelninski, Irmã Marilde de Lurdes  IlKiu e Padre Maximino Vicenzi.

O Padre Lino Vier foi ordenado na Diocese de Joinville – SC, vindo a celebrar a sua 1ª Missa aqui em Porto Vitória, onde se encontravam a maioria dos seus familiares. Atuou vários anos em Campo Alegre, mas o seu Jubileu de Prata foi celebrado solenemente na Igreja Matriz de São Miguel Arcanjo e festejado no Pavilhão de Festas.

Vale registrar ainda que o Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Eusébio Oscar Scheid já celebrou uma Missa na Igreja Matriz de São Miguel Arcanjo, a convite do então Administrador Paroquial, Padre Mário Fernando Glaab, em fevereiro de 1997, quando veio visitar familiares, que são vários, tanto em Porto Vitória, como na Colônia Concórdia, onde seus pais residiram antigamente.

Porto Vitória também foi privilegiado com o trabalho das Irmãs Franciscanas, tendo como superiora a Irmã Raimunda, auxiliando em vários movimentos de igreja e se dedicando ao trabalho comas crianças na Creche Aconchego dos Pequeninos e Lar Infanto-Juvenil, no período de abril de 2003 a janeiro de 2005.

A Paróquia vem desempenhando um papel muito importante diante do povo de Deus. Desde o início, da primeira capela, na segunda década do passado, por todos os fatos que se sucederam, percebe-se a presença da mão de Deus guiando o seu povo, semeando muitos frutos de paz, de harmonia, de perdão e de fraternidade e cultivando os valores que engrandecem as famílias cristãs, sempre sob a proteção do Arcanjo São Miguel.