Igreja Católica Apostólica Romana

Paróquia São Mateus celebra 90 anos de Paróquia e 125 anos da 1ª Missa

Entre os dias 13 e 21 de agosto, a Paróquia São Mateus, de São Mateus do Sul, promoveu a Festa em honra a Nossa Senhora da Assunção, sua copadroeira, celebrada dia 15 de agosto. As festividades vieram também ao encontro das comemorações dos 90 anos da constituição do Curato (paróquia criada e ligada à Arquidiocese de Curitiba) na época, e dos 125 anos da celebração da 1ª Missa, como registrada pelo padre que a presidiu, João Peters.

A linda história transcende ao religioso, embeleza a cultura da cidade e é parte da tradição ligada à formação da Vila que iniciou o município.

Primeira Igreja construída na então Colônia São Mateus, em 1891.
1ª Igreja construída na então Colônia São Mateus, no final de 1800, com grande esforço dos imigrantes poloneses.

 

Registros da época descrevem que a 1ª missa foi celebrada no domingo, dia 16 de agosto de 1891, um dia após a festa dedicada à Nossa Senhora da Assunção, na Igreja ali construída. Nos dez dias seguintes o sacerdote realizou 36 casamentos e batizou 47 crianças. Até então os moradores da ‘Colônia de São Matheus’, grande parte recém-chegados da Europa, eram assistidos pelos sacerdotes de Palmeira e da Lapa.

1ª Missa na 1ª Capela de São Mateus, em 16 de Agosto de 1891.
1ª Missa na 1ª Capela de São Mateus, em 16 de Agosto de 1891.

“A colonia possue uma capelinha, onde a 16 de agosto de 1891 foi celebrada a primeira missa naquelle logar pelo Padre João Peters, que posteriormente visitou todos os núcleos e benzeu os cemitérios [grafia original]”, reporta o escritor Sebastião Paraná, em 1899.

Uma história bela!

De acordo com registro da Arquidiocese, numa síntese sobre a época, a 1ª igreja foi construída por imigrantes poloneses, justamente os precursores do povoamento do que seria, 17 anos mais à frente, o município de São Mateus, desmembrado de São João do Triunfo.

Suposta imagem do interior da 1ª Igreja de São Mateus.
Suposta imagem do interior da 1ª Igreja da Colônia São Mateus.

Justamente o padre Peters, também polonês, se dirigia de Curitiba para as celebrações, num período anterior à própria criação da diocese de Curitiba. Em 1892 ele é substituído pelo sacerdote secular Ladislau Smolucha, oriundo da Polônia – Diocese de Tarnow, que fica na região até o ano seguinte e segue para assumir o posto de vigário em Campo Largo.

Desde a sua constituição a Igreja estava subordinada à paróquia de Palmeira. A partir de 1895, o 1º bispo curitibano, dom José de Camargo Barros, criou a Capelania de São Mateus, colocando na mesma jurisdição as colônias de Rio Claro, Água Branca e Rio dos Patos. Junto dessa decisão, ainda, houve a nomeação do padre polonês Ludovico Przytarski para atuar na vila.

Nasce a Paróquia

Somente 31 anos mais tarde, em 1926, a Capelania é elevada à categoria de Curato. Outra explicação popular permite o entendimento da relação São Mateus e Nossa Senhora da Assunção. Supostamente, por conta da celebração da 1ª missa na data próxima à dedicada para a santa, firmou seu nome na igreja. Também por quesitos ligados aos poloneses, elencados à tradição e veneração.

Segunda Igreja de São Mateus, ao lado de onde está a atual Matriz São Mateus.
2ª Igreja de São Mateus, ao lado de onde está a atual Matriz.

Quando da criação da Paróquia, então, havia duas pequenas igrejas que se convergem para uma só. Uma delas era próxima à atual matriz e outra, também, presente na localidade. A 1ª dedicada à Nossa Senhora da Assunção e a outra ao padroeiro da vila: São Mateus. Dessa unificação nasce o Curato com o nome dedicado ao santo e, dali, se constituí a Igreja Matriz da cidade.

Precursores itinerantes

Antes da fundação da Colônia São Mateus os moradores se dirigiam a Palmeira e professavam sua fé na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, bem como, os sacramentos do batismo e do matrimônio ali eram realizados. A construção da Capela de São João Baptista, na então freguesia de São João do Triunfo, facilitou esse acesso religioso, anos mais tarde.

Atual Igreja Matriz São Mateus e N. Sr.ª Assunção.
Atual Igreja Matriz São Mateus e N. Sr.ª Assunção.

Mesmo antes da fundação da colônia, os padres de Palmeira percorriam os cemitérios e oratórios particulares de diversas localidades da região: Turvo, Emboque e Potinga. Essa assistência religiosa era dividida com sacerdotes da Lapa que atendiam Água Amarela, Mato Queimado, Água Azul, Cambará, São Miguel e Tesoura.

Assim que receberam seus lotes de terras e se fixaram na localidade, os imigrantes se remeteram ao apoio espiritual. Para tanto, no local mais alto da colônia, decidiram edificar a 1ª igreja que, menos de um ano depois da fixação do polonês na região, teve sua missa inaugural.

Texto: Sidnei Muran
Fotos antigas: Arquivo Pessoal Gerson Souza
Fonte: Jornal Gazeta Informativa
São Mateus do Sul

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.