Igreja Católica Apostólica Romana

Dom Walmor emite nota com critérios para a escolha de candidatos no 2° Turno

"...a Igreja trabalha para mostrar os princípios que precisam ser defendidos..."

O arcebispo de Belo Horizonte (MG) dom Walmor Oliveira Azevedo junto a seus bispos auxiliares apresentaram, dia 17 de outubro, uma carta com orientações e critérios que auxiliam eleitores na definição de seus candidatos, neste segundo turno das Eleições 2018. A carta, com o título “Bem-aventurados os que promovem a paz”, traz 10 princípios que precisam ser analisados antes da votação.

Dom Walmor, ao centro, junto com os bispos auxiliares da Arquidiocese de Belo Horizonte – MG.

Durante a apresentação, dom Walmor afirmou que a carta “é um convite para que lancemos o nosso olhar sobre a sociedade brasileira, onde estamos vendo extremismos e situações de polarizações. 

Reafirmando que a Igreja não indica candidatos, dom Walmor ressaltou que “todos os cidadãos e cidadãs têm o direito de fazer suas escolhas e a Igreja trabalha para mostrar os princípios que precisam ser defendidos nesse processo de definição”.

O arcebispo da Arquidiocese de Belo Horizonte reforçou que Igreja não faz campanha política. “Se alguém o faz está na contramão daquilo que de fato a Igreja pensa e faz. A nossa Igreja não faz opção partidária para esse ou aquele candidato. Cada cidadão tem o seu direito e liberdade de fazer sua escolha”.

O religioso lembrou que os bispos e padres também são cidadãos, também vão às urnas votar, mas nenhum pode, em nome da Igreja e como Igreja, demonstrar que é partidária de um ou outro candidato.

Por fim, dom Walmor lembrou do Sermão da Montanha e a sua importância na avaliação das candidaturas: “Se nos reportarmos ao Evangelho de Mateus, para pensar, em vez de nos banharmos em ideologias partidárias, faremos um caminho de qualidade e qualificaremos a nossa cidadania para participarmos dessa reconstrução que o Brasil precisa”.

O arcebispo defendeu que o caminho novo, necessário para a sociedade brasileira, com o seu conjunto de instituições, do qual a Igreja faz parte, é ajudar a população brasileira a ter uma nova consciência cidadã, para recompor o tecido da democracia, da participação e superar todo tipo de intolerância e discriminação.

Leia a Nota aqui

Fonte: Site CNBB
Postagem: Pascom Diocesana

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*