Igreja Católica Apostólica Romana

Natal e os pobres

Existem dois natais. Um é o natal que se comemora com festas, presentes, com enfeites e até com abusos de toda sorte; que é fruto do consumismo exagerado. Outro é o Natal cristão que se volta para o Menino que nos foi dado: o mistério da Encarnação do Verbo de Deus na pessoa de Jesus de Nazaré, e que é celebrado na fé, na esperança, e principalmente no amor.

Natal pagão

O natal criado pelo consumismo é o natal pagão. Não tem nada, ou ao menos, muito pouco, de haver com o Natal cristão. Ele valoriza o prazer, o ter e o consumo exagerado. Por isso, não tem escrúpulos em descartar tudo o que impede de alcançar estas coisas. Quem não pode competir, é excluído. Os pobres e os sofredores são “apagados” das imagens desse natal, pois as luzes o fazem brilhar como se fosse de um outro mundo, um mundo de fantasia.

Este mundo que celebra o seu natal é tão perverso que, para não estragar o seu esplendor, incentiva as pessoas a se desculparem – desencargo de consciência -, fazendo alguma obra de caridade em prol dos miseráveis. Se o pobre tiver uma cesta básica no natal ele não estraga o brilho da rica ceia dos abastados pagãos. Durante o resto do ano não lhes interessa saber se ele tem algo para matar a sua fome; o importante é que ele não perturbe a festa do natal do consumo e da festa. Eles precisam comemorar.

A figura que mais caracteriza este natal pagão é o Papai Noel com seu saco enorme, sortido de ricos presentes, trazendo alegria para as crianças e para os adultos. Jesus, quando aparece, não é o pobre que nasceu em Belém, mas uma criança envolta em luzes, em um romantismo que nem de longe lembra o acontecimento do nascimento entre os animais por não haver lugar na hospedaria.

Natal Cristão

O Natal que os cristãos comemoram é bem outra coisa. Ele traz para a nossa realidade e nosso tempo o mistério do Deus Encarnado na pessoa de Jesus de Nazaré. A história daquele casal que não é acolhido em Belém e que deita o recém-nascido em uma manjedoura é celebrada na fé, na esperança e, principalmente no amor-gratidão. Gratidão a Deus, porém traduzido no compromisso para com todos os não-acolhidos de hoje. Natal Cristão sem compromisso não existe. Ele até faz festa, dá presentes e enfeita a casa; mas não fica nisso. Ele transforma interior e externamente as pessoas. Isto porque o Natal de Jesus não fica no passado, mas é hoje. É hoje que no cristão Deus se volta para os desvalidos da história dando-lhes vida; e, esta vida passa pelos cristãos. Os cristãos são hoje os feitores do Natal.

Para o cristão o Natal de Jesus é muito mais do que uma recordação do que aconteceu há dois mil anos lá em Belém. É a comemoração do mistério da Encarnação de Deus na história e na geografia da humanidade. Isto somente é possível para quem tem fé, pois ultrapassa longe a lógica dos sábios e dos poderosos deste mundo. O Natal aponta para a manifestação mundial da bondade de Deus. Quem sabe ler além das imagens do presépio pode contemplar o rosto de um Deus que se mostra bondoso com o mundo todo. Se naquele Menino está Deus (Ele é Deus), então o mundo é amado por Ele, pois Ele está aí, no mundo da maneira mais humilde possível. Ninguém é afastado dele. Mas, mais ainda, este que nasceu no Natal, aceitou ser rejeitado, condenado e crucificado! O cristão, já no Natal, entrevê a morte por amor deste que nos foi dado. Na entrega total de Jesus, Deus abrange tudo, e manifesta assim, a sua Verdade, a sua Beleza e a sua Majestade. O amor de Deus é verdadeiro (o Natal não é teatro), é belo (é coerente e sincero), e é serviço para todos.

Jesus e os pobres

Não é possível celebrar o Natal sem levar em conta os pobres. Alguém diz, todos somos pobres! É verdade, mas existem os que são pobres de modo diferente, do jeito de Jesus.

Se Deus em Jesus se fez pobre e viveu entre os pobres de todos os tipos, como podemos nós não falar dos pobres e dos excluídos ao falar do Natal? Mas, afinal, quem são os pobres? Alguém que muito refletiu sua fé em Jesus de Nazaré e conviveu sempre com os pobres assim explica: “Pobres são aqueles para os quais a vida é uma carga pesada, pois não podem viver com um mínimo de dignidade” (Pagola), justamente para os quais veio o Deus Encarnado. Resumindo, os pobres são os que morrem antes do fim da vida! Portanto, é impossível não levar em conta tantos irmãos que são pobres ao comemorar o Natal Cristão.

Até pode ser possível falar de Cristo, de um Cristo desencarnado, glorioso que reina na nos altos céus, sem se referir aos pobres, mas tratar de seu nascimento, sua vida e morte na história de um povo sem levar em conta estes últimos, simplesmente é inaceitável. Falar de Cristo, o Senhor lá do céu, aquele que cuida sempre de mim e resolve todos os meus problemas, é fácil; mas falar com seriedade do Homem-Deus, Jesus de Nazaré é, no mínimo, comprometedor. Jesus certamente resolverá minhas situações mais complicadas, mas, à medida em que me faço seu seguidor, ele me faz sair de mim mesmo e ir ao encontro do outro, do necessitado. Isto me liberta; isto me renova e me realiza como ser humano. Não é a fuga do problema que resolve, mas o enfrentá-lo. É a cruz abraçada e carregada que leva à ressurreição. Jesus de Nazaré foi crucificado não por ter feito mal a alguém, mas pelo contrário, por ter feito o bem àqueles que os ricos, os poderosos e os religiosos da época julgavam culpados de sua triste sorte.

Se quisermos colaborar para que o mundo seja um pouco mais humano deveremos forçosamente deixar que o Natal Cristão seja um encontro com Jesus, o Deus Pobre, e, a partir dele descobrir a presença salvadora do amor de Deus lá onde estão os últimos de todos. Sem Jesus, poderemos continuar falando de Cristo e festejando o natal pagão, mas nunca introduziremos no mundo o potencial humanizador de Jesus de Nazaré, que é o Deus Conosco, o Salvador do mundo.

Sejamos cristãos de verdade: testemunhemos que o Natal é cada dia e em cada lugar, mas especialmente lá onde as pessoas são mais odiadas, excluídas, perseguidas e mortas. Lá está o Filho de Deus Encarnado, Crucificado e Ressuscitado; lá deve estar também o verdadeiro cristão.

Pe. Mário Fernando Glaab.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*